Archive

Posts Tagged ‘Profissão Repórter’

Profissão Repórter, hoje (2) Descaso no tratamento de câncer no SUS é tema de denúncia

‘Profissão Repórter’ aborda o namoro na adolescência, hoje 15-05

O mês de outubro chega ao fim e, com ele, a campanha nacional batizada de Outubro Rosa. Apesar de inúmeras propagandas, mensagens e palavras de incentivo, a situação de quem enfrenta o câncer e depende do sistema público de saúde passa, dia após dia, por um estado cada vez mais crítico. Por isso, os repórteres do ‘Profissão Repórter’ desta quarta-feira (02/11) visitam três regiões do país para revelar o descaso nesse setor, dividindo o especial em três partes: a dificuldade do diagnóstico, a demora no início do tratamento e as constantes interrupções por falta de medicamentos.

Em Aracaju, o Hospital de Cirurgia, um dos principais da capital sergipana, enfrenta constantemente a falta de remédios para a quimioterapia. Para lutar contra isso, um grupo de mulheres criou o Mães de Peito, apresentado pela repórter Mayara Teixeira.

Mas há o problema daqueles que sequer conseguem dar início à fase de radioterapia. Fazendo imagens com um celular, o repórter Erik von Poser registrou o desespero de pacientes e familiares do Hospital de Base do Distrito Federal, onde a fila para conseguir acesso ao tratamento tem mais de mil pessoas.

“De acordo com uma lei de 2012, todo paciente tem direito a começar o tratamento em até 60 dias após o seu diagnóstico. Mas, ali, tem gente esperando por isso há quase um ano”, conta von Poser. Com a experiência pessoal de ter perdido o pai e o avô para a doença, o repórter viu de perto uma situação bastante delicada. “Sei como é a luta e o sofrimento durante esses tratamentos, e tem muita gente morrendo na fila”, explica.

A Guilherme Belarmino coube falar sobre a dificuldade na obtenção do diagnóstico precoce de câncer em crianças. Em um hospital de Belo Horizonte, há casos de quem levou até oito anos para descobrir qual era sua doença. “Conheci uma menina que tinha câncer no ombro e, quando ela chegou para o tratamento ambulatorial, o tumor tinha avançado e ela teve de amputar o braço e o ombro. Muitas crianças, antes de descobrir a doença, recebem diagnóstico de virose, de dor do crescimento, etc.”, relata Belarmino.

O ‘Profissão Repórter’ vai ao ar às quartas-feiras, depois do futebol.

Profissão Repórter, hoje (19) o papel do pai na criação dos filhos

PREP_pais (Foto: TV Globo)Divulgação TV Globo

O Profissão Repórter da próxima quarta discute o papel dos pais na criação dos filhos. Poucas empresas já aderiram à nova licença paternidade, de 20 dias. E a falta do nome do pai no registro de nascimento ainda é uma realidade para quatro milhões de crianças brasileiras.

A repórter Eliane Scardovelli se dividiu entre duas realidades bem diferentes para retratar os primeiros cuidados dos pais com seus bebês. Numa maternidade de Guarulhos, na grande São Paulo, ela conheceu Gilberto, um publicitário que trabalha 12 horas por dia e não conseguiu ficar nenhum dia livre ao da mulher e da filha que acabou de nascer.

Em Londres, convidamos a repórter Nathália  Fernandes para contar a história dos pais que abriram mão de oportunidades profissionais para passar mais tempo com os filhos, enquanto as mães trabalham o dia todo.

No Rio Grande do Sul, o repórter Manoel Soares conta a história das crianças sem o pai no registro: são 200 mil no estado, segundo o IBGE. Manoel acompanhou a batalha de Jessica, uma jovem de 21 anos que foi buscar ajuda da defensoria pública para que o filho não faça mais parte dessa estatística.

Profissão Repórter, hoje (12) história de quem buscava o sucesso na música

  ‘Profissão Repórter’ aborda o namoro na adolescência, hoje 15-05

O Profissão Repórter da próxima quarta traz mais um especial com personagens históricos de seus 10 anos de existência. Dessa vez, o tema é música: gente que tentava o sucesso nos bares e nos palcos do Brasil. São histórias de sucesso e fracasso registradas em cinco estados diferentes do país.

Mayara Teixeira vai a Fortaleza tentar contato com Wesley Safadão, entrevistado pelo programa em 2011, quando ainda era integrante do grupo Garota Safada.

Caco Barcellos reencontra os funkeiros do Tocantins que se dividem entre a música e a composição de jingles e propagandas locais.

Caio Cavechini vai ao Maranhão e reencontra Cruz Gago, um cantor local que em 2007 vivia a alegria de ver uma música gravada por cantores como Leonardo e Cesar Menotti e Fabiano.

Divulgação Rede Globo

Globo Repórter, hoje (7) brasileiros que ganham a vida nas ruas

 Globo Repórter investiga relação dos brasileiros com os exercícios físicos, hoje 04-05

Quantos quilômetros anda por dia um vendedor de balas do sinal de trânsito? E quanto ganha um vendedor de guarda-chuvas num único dia de tempo ruim?

O Globo Repórter mergulha no mundo dos brasileiros que ganham a vida nas ruas.

O professor desempregado sustenta a família como violinista das esquinas e consegue o suficiente para pagar as prestações da casa própria.

Quentinha dá dinheiro? Três jovens sobrevivem fazendo e entregando marmitas aos vendedores das lojas mais chiques de São Paulo.

Escritor, livreiro e vendedor: os livros que sustentam o dono da banca mais charmosa da zona norte do Rio.

A banca dos pastéis gigantes. Por que o comerciante que já teve uma loja preferiu voltar para a venda nas ruas?

A amiga das maritacas: vendendo sanduíches num dos cenários mais bonitos do país, ela sonha com a formatura do filho.

O ciclista-ambulante: ele só vai para casa a cada duas semanas. Ele dorme na rua para economizar e assim consegue juntar dinheiro.

E o ex-morador de rua que arrumou emprego e casa ajudando o dono de uma banca de jornais.

Nesta sexta (7), no Globo Repórter.

Divulgação TV Globo

Profissão Repórter registra semana de votação histórica na Colômbia

PREP_Colômbia (Foto: TV Globo)

Foto Divulgação TV Globo

O Profissão Repórter acompanhou a reta final da campanha pelo acordo de paz na Colômbia, que foi derrotado no último domingo por 50,2% dos votos. Caco Barcellos passou a última semana na capital colombiana e registrou manifestações populares dos dois lados da disputa.

Um repórter colombiano convidado pelo programa, o fotógrafo Álvaro Cardona, conseguiu acesso exclusivo às Farc e acompanhou o cotidiano de um acampamento de guerrilheiros, que viviam a expectativa de deporem as armas e voltarem à vida civil. Um deles, o enfermeiro Faiber, decide ligar para sua mãe depois de 14 anos sem contato.

As equipes do Profissão Repórter também desenham o contexto do conflito, que já dura mais de 50 anos. Guilherme Belarmino, em Medellín, uma das cidades mais conservadoras da Colômbia, conhece as Mães da Candelária, que buscam filhos vítimas dos paramilitares, grupos rivais das guerrilhas. Apesar de suas perdas, muitas delas defendem o perdão de crimes como sequestros e assassinatos, um tema que volta ao debate com o processo de paz com as Farc.
Caco Barcellos também vai a Salvador reencontrar os engenheiros brasileiros sequestrados na Colômbia em 1989 por um outro grupo guerrilheiro, o ELN. Na época, Caco foi o único repórter a conseguir acesso ao cativeiro dos brasileiros na selva amazônica.

Divulgação TV Globo