Anúncios

Arquivo

Posts Tagged ‘Profissão Repórter’

Profissão Repórter, hoje (11) diversão dos jovens nas periferias

 Na periferia de Ceilândia, a 30 quilômetros de Brasília, adolescentes afirmam que a única opção de lazer na região é ir pra missa, pra igreja. A repórter Nathalia Tavolieri conheceu outros jovens que, por iniciativa própria, criam eventos culturais nos quintais das casas como opção de lazer.

O Aglomerado da Serra, em Belo Horizonte, tem 50 mil moradores. O Repórter Erik Von Poser registrou como é organizado o baile funk da comunidade.

Em julho deste ano, um jovem de 14 anos morreu e outras três pessoas ficaram feridas num tiroteio. Desde então o baile só pode acontecer com o alvará da Prefeitura. O documento precisa ser renovado toda a semana.

O Profissão Repórter vai ao ar nesta quarta (11), depois do futebol!

Anúncios

Profissão Repórter, hoje (27) o drama de quem procura familiar desaparecido

Cerca de 200 mil pessoas desaparecem todos os anos no Brasil e 15% delas nunca são encontradas. Os números refletem a angústia e a esperança de famílias que passam dias e até anos à procura de entes queridos. O ‘Profissão Repórter’ desta quarta-feira (27/09) acompanha o drama de quem enfrenta essa busca e traça o perfil de alguns dos procurados.

A repórter Danielle Zampollo mostra a trajetória dos filhos e da esposa de Yosikasu Nishino, de 78 anos, que desapareceu há cerca de um mês na cidade paulista de Suzano. Segundo a família, Yosikasu sofre do mal de Alzheimer e não voltou após sair para comprar ração para os gatos.  

O jornalístico destaca Darko Hunter que é um investigador social que já localizou mais de 3 mil pessoas.  

O programa também mostra a luta de José Rodrigues, que saiu do interior do Maranhão para procurar o filho. A repórter Nathalia Tavolieri conta a história dessa jornada: José já passou por 13 estados levando, presa ao pescoço, uma placa com a foto de Cleílson.

O ‘Profissão Repórter’ vai ao ar na TV Globo, depois do futebol.

Profissão Repórter, hoje (20) rotinas monitoradas por tornozeleiras eletrônicas

Por permitir a circulação do detento fora do sistema prisional, a opção pelo uso da tornozeleira eletrônica causa polêmica. O ‘Profissão Repórter’ desta quarta-feira (20/09) encontra pessoas que utilizam o equipamento e mostra detalhes de como é feito o monitoramento, considerado uma alternativa para reduzir a lotação nas penitenciárias.

O repórter Estevan Muniz vai até Natal, no Rio Grande do Norte, para acompanhar a rotina de um deputado condenado por improbidade administrativa, que utiliza a tornozeleira eletrônica.

O ‘Profissão Repórter’ mostra também as ocasiões em que o uso da tornozeleira eletrônica está ligado a infrações que envolvem furto, roubo e até homicídio. A reportagem acompanha duas pessoas do Paraná que, depois de anos no regime fechado, saem do presídio pela primeira vez com o aparelho preso à perna. Erik também visita uma central de monitoramento, onde observa a localização de um fugitivo em tempo real, e participa de uma operação policial que levou de volta para a cadeia 18 pessoas que não respeitaram as regras do uso da tornozeleira.

A repórter Mayara Teixeira mostra as condições de mães que utilizam a tornozeleira eletrônica. De acordo com uma lei instituída no ano passado, grávidas e mães com filhos de até 12 anos podem recorrer à prisão domiciliar. É o caso de Jacicleide. Os dados, entretanto, apontam que as tornozeleiras sobram, mesmo com o grande número de pedido de detentas que são mães.

O ‘Profissão Repórter’ vai ao ar na TV Globo, depois do futebol.

Profissão Repórter, hoje (13) jovens que estão à espera de adoção

 Divulgação – TV Globo

De acordo com o Cadastro Nacional de Adoção (CNA), do Conselho Nacional de Justiça, há cerca de 7.200 crianças aptas para adoção no Brasil. Muitas delas permanecem em abrigos por anos até que sejam recebidas por uma nova família. Outras chegam à maioridade na instituição e precisam procurar outro lugar para morar. O ‘Profissão Repórter’ desta quarta-feira (13/09) mostra essas e outras situações vividas por jovens de todo o país. 

Em um abrigo de Jacareí, no interior de São Paulo, a equipe de reportagem mostra o drama das crianças que são devolvidas pelos pais adotivos. A repórter Monique Evelle conversa com um menino de 11 anos, que está no abrigo desde os 3 e já foi devolvido por oito famílias.

O programa também mostra uma iniciativa criativa do Tribunal de Justiça do Espírito Santo, que usa vídeos para tentar aumentar as chances de adoção dos jovens com mais de 12 anos. O projeto já é um sucesso: dos 22 participantes, 15 despertaram interesse de candidatos a pais adotivos. O repórter Guilherme Belarmino acompanha as gravações e conhece as histórias por trás delas.

Já a repórter Danielle Zampollo acompanhou os últimos dias de Abraão em um abrigo de São Paulo. O jovem de 17 anos passou grande parte da vida no acolhimento e agora tem que voltar para a casa da mãe, que tem 11 filhos e problemas psiquiátricos. Além da despedida do adolescente no abrigo, Danielle observa como Abraão ajuda o pai, morador de rua às margens do rio Tietê.

O ‘Profissão Repórter’ vai ao ar na TV Globo, depois do futebol.

Profissão Repórter, hoje (6) drama dos recentes naufrágios brasileiros

 

O fim de agosto foi sinônimo de tragédia para muitas famílias brasileiras que viram seus familiares serem vítimas da imprudência e da negligência em dois naufrágios, no Pará e na Bahia, quando 42 pessoas morreram. Três equipes do ‘Profissão Repórter’ se deslocaram para os dois Estados em busca de histórias de sobreviventes e do que, de fato, há por trás desses casos.  

Nesta quarta-feira (06/09), a repórter Monique Evelle, que é soteropolitana, mostra que chegou à Ilha de Itaparica quando algumas vítimas ainda estavam sendo retiradas do mar, enquanto outras já estavam sendo sepultadas.  

Ao passar uma semana inteira na região, a repórter ficou próxima a muitas pessoas e conheceu, inclusive, Eduarda Radmila, uma sobrevivente que queria encontrar o homem que a resgatou.  

É na Bahia também que Caco Barcellos recolhe relatos e imagens de moradores locais que detalham a precariedade da embarcação, a falta de fiscalização e a demora no resgate das vítimas. O Ministério Público local já havia proposto ações contra a empresa responsável, mas a Marinha afirma que o barco que naufragou estava totalmente regular.

Outro palco de um naufrágio recente é o rio Xingu, no Pará. Ali, próximo ao município de Porto de Moz, Estevan Muniz retrata que também falta fiscalização nos terminais hidroviários, que são utilizados diariamente pela população local.  

O ‘Profissão Repórter’ vai ao ar na TV Globo após o especial Chacrinha, o Eterno Guerreiro.