Anúncios

Arquivo

Posts Tagged ‘ator’

Morre o ator Paulo Silvino

Divulgação – TV Globo

Faleceu, na manhã desta quinta-feira (17/08), o ator Paulo Silvino. Aos 78 anos, ele lutava contra um câncer no estômago desde o ano passado e faleceu em casa, no Rio de Janeiro.

Paulo Silvino nasceu no Rio de Janeiro e cresceu nas coxias do teatro e nos bastidores da rádio. Isso porque seu pai, o comediante Silvério Silvino Neto, conhecido por realizar paródias de figuras públicas no Brasil dos anos 1940 e 1950, levava o menino para acompanhar seu trabalho.

Paulo Silvino também mostrava talento para a música, revelado durante as aulas que tinha com a mãe, a pianista e professora Noêmia Campos Silvino. Pisou num palco pela primeira vez aos nove anos de idade, quando se atreveu a soprar as falas para um ator de uma peça que o pai participava.

Na adolescência, ele se apresentava como crooner de um conjunto de rock, acompanhado por músicos como Eumir Deodato (acordeon), Durval Ferreira (guitarra) e Fernando Costa (bateria).

Autor de bordões que não saem da boca do povo, Paulo iniciou a carreira no rádio, mas já nos anos 1960 se juntou ao elenco da TV Rio. Na Globo, estrelou ‘Balança Mas Não Cai’ (1968) e teve destaque nos programas humorísticos ‘Faça Humor’, ‘Não Faça Guerra’ (1970), ‘Uau, a Companhia’ (1972), ‘Satiricom’ (1973), ‘Planeta dos Homens’ (1976), e ‘Viva o Gordo’ (1981).

Em ‘Zorra Total’ (1999), seu personagem Severino, famoso pelo inesquecível “cara e crachá”, se tornou extremamente popular. O programa, que em 2015 passou a se chamar ‘Zorra’, foi seu último trabalho na TV.

No cinema, fez 16  filmes. Entre eles: ‘Sherlock de Araque’ (1957), ‘O Rei da Pilantragem’ (1968), ‘O Padre que Queria Pecar’ (1975), ‘Um Marciano em Minha Cama’ (1981) e ‘Até que a Sorte os Separe 3’ (2015). Paulo Silvino deixa a esposa e três filhos.

Anúncios

Ator José Loreto fala sobre vídeo íntimo que vazou na web

Ator José Loreto, durante filme 'Mais forte que o mundo — A história de José Aldo'' (Foto: Reprodução)

Ator José Loreto, durante filme ‘Mais forte que o mundo — A história de José Aldo” (Foto: Reprodução)

O ator usou sua rede social Instagram para desabafar sobre o acontecido: Infelizmente, nas últimas horas, fui pego de surpresa ao ver minha intimidade exposta em um vídeo feito aproximadamente há dez anos e gravado sem a minha permissão, obviamente sem a mesma para sua divulgação”.

José Loreto é casado com a atriz Débora Nascimento desde maio de 2016. Atualmente participa da série “Os Dias Eram Assim” (Globo). E faz parte da bancada do “Amor & Sexo” (2008).

“A divulgação de fotos, vídeos e outros materiais com teor sexual sem o consentimento do dono é CRIME.”

Ator de Tropa de Elite descobriu a manipulação por trás da delação da JBS

Vídeo retirado do YouTube – Canal polica MENTE BR

Ator Nelson Xavier morre nesta quarta-feira

Divulgação TV Globo

O ator e diretor Nelson Xavier faleceu nesta quarta-feira (10/05) na cidade de Uberlândia, de insuficiência respiratória em decorrência de um câncer. Ele tinha 75 anos e lutava contra a doença há 14 anos. O corpo do ator será cremado no Rio de Janeiro.

Paulistano, Xavier foi um dos grandes nomes da TV, do cinema e do teatro. Na Globo, coleciona personagens marcantes, como Lampião, da minissérie “Lampião e Maria Bonita” (1982), Norberto, de “Renascer” (1993) e Sebastião, de “Senhora do Destino” (2004). O ator também teve passagem pela Manchete com o personagem Leopoldo Canjerê em A História de Ana Raio e Zé Trovão (1990), entre outros. Seu último trabalho na TV foi uma participação na novela das nove “Babilônia” (2015). Dois anos antes, ele havia feito o monge budista Ananda Riponche, na novela das seis “Joia Rara” (2013). Xavier completaria 49 anos de Globo este ano. Seu primeiro trabalho na empresa foi em Sague e Areia (1968).

Formado na Escola de Artes Dramáticas da Universidade de São Paulo e um dos nomes do Teatro de Arena, Nelson Xavier decidiu enveredar para as artes audiovisuais após o golpe de Estado de 1964. Em depoimento ao projeto Memória Globo, em 2015, afirmou que “não tinha estrutura cultural e psicológica” para aguentar a perseguição política. O ator havia feito parte do elenco de montagens clássicas do teatro nacional, como “Eles Não Usam Black-tie” (1958), de Gianfrancesco Guarnieri, e “Julgamento em Novo Sol” (1962), de Augusto Boal.  

No cinema, Nelson esteve em sucessos como “Dona Flor e seus Dois Maridos” (1976) e “Vai Trabalhar, Vagabundo!” (1973). Mais recentemente, em 2010, viveu o médium Chico Xavier, na cinebiografia homônima dirigida por Daniel Filho. Em um dos seus últimos trabalhos, no longa-metragem “A Despedida”, rodado em 2013, viveu um homem em estado terminal. Durante uma entrevista para o lançamento do filme na Mostra de Cinema Tiradentes, em 2015, o ator citou a doença que havia sido diagnosticada em 2004. “A experiência de encarar a finitude é uma coisa que eu já tinha em mim. A decadência física te ensina a entender mais a vida”, declarou, em entrevista ao jornal “O Dia”. Também participou do filme A Floresta que se move (2015).  

Sua última aparição pública foi na exibição do longa-metragem “Comeback” durante o Festival do Rio deste ano. No drama de Erico Rassi, Nelson Xavier interpretou Amaro, um ex-pistoleiro que se refugia numa pequena cidade de Goiás após sua aposentadoria.  

Nelson Xavier deixa a mulher, a atriz Via Negromonte (Wilma Fernandes Negromonte), e quatro filhos.

Agradecimento FabioTV

Aos 61 anos morre o ator Bill Paxton, de Titanic e Apollo 13

Foto – Divulgação

Neste domingo, 26 de fevereiro, foi anunciado o falecimento do ator Bill Paxton, aos 61 anos de idade. Ele foi vítima de complicações após uma cirurgia, como afirma o comunicado da família:

“É com grande pesar que informamos a morte de Bill Paxton devido a complicações de uma cirurgia. Como pai e esposo amoroso, Bill começou a sua carreira em Hollywood trabalhando no departamento de arte, e depois construiu uma carreira ilustre que cobriu quatro décadas, nas funções de ator e diretor. A paixão de Bill pelas artes foi percebida por todos que o conheceram, e seu afeto e energia incansável eram inegáveis. Pedimos respeito ao desejo da família de ter privacidade neste período de luto pelo adorado marido e pai”.